Pesquisadores translacionais na Universidade de Buffalo desenvolvem uma melhor compreensão sobre a aterosclerose em humanos, revelando um papel fundamental para as células tronco que promovem a inflamação.

A pesquisa foi publicada recentemente no PLOS One. São estendidos a seres humanos achados anteriores em animais de laboratório por pesquisadores da Universidade de Columbia que revelaram que altos níveis de colesterol LDL (“mau”) promovem aterosclerose por estimular a produção de células do tronco/progenitoras hematopoieticas (HSPC, hematopoietic stem/progenitor cells).

“Nossa pesquisa dá início a uma potencial nova abordagem para prevenir ataques cardíacos e AVC, com foco nas interações entre o colesterol e as HSPCs”, explica Thomas R. Cimato, MD, PhD, autor principal do artigo científico (paper) do PLOS One e professor assistente no Departamento de Medicina na Faculdade de Medicina e Ciências Biomédicas da Universidade de Buffalo.

Ele observa que o achado, quanto à importância dessas células tronco na aterosclerose poderia, levar ao desenvolvimento de uma terapia útil em combinação com estatinas, ou uma que poderia ser usada em vez das estatinas em indivíduos que não podem tolerá-las.

O estudo demonstrou, pela primeira vez em humanos, que níveis elevados de colesterol total recrutam células tronco da medula óssea para a corrente sanguínea, através do aumento do IL-17, que tem sido envolvido em muitas doenças inflamatórias crónicas, incluindo a aterosclerose. IL-17 aumenta os níveis do fator estimulador de colônia de granulócitos (GCSF, granulocyte colony stimulating factor), que libera as células tronco da medula óssea.

Eles também descobriram que as estatinas reduzem os níveis de HSPCs no sangue, mas nem todos os indivíduos responderam da mesma forma, afirma Cimato.

“Nós extrapolamos para seres humanos o que outros cientistas anteriormente encontraram em ratos sobre as interações entre o colesterol LDL e estas HSPCs”, explica Cimato.

A demonstração de que um achado em animais de laboratório é igualmente relevante em seres humanos é notável, acrescenta Cimato, um cientista do Centro de Pesquisa Clínica e Translacional (CTRC, Clinical and Translational Research Center) da Universidade de Buffalo.

“Isto é especialmente verdadeiro com os estudos de colesterol”, assevera, “porque os ratos utilizados para estudos de aterosclerose têm níveis muito baixos de colesterol total no basal. Nós os alimentamos com dietas muito ricas em gordura a fim de estudar o colesterol alto, mas não é fácil de interpretar o que irão significar os níveis dos ratos em humanos e não se sabe se a extrapolação para os seres humanos será válida.

Cimato acrescenta que o grau de aumento do colesterol LDL em estudos com ratos é muito maior do que aquele encontrado em pacientes que chegam ao hospital com um ataque cardíaco ou AVC.

“O fato de que essa conexão entre as células tronco e o colesterol LDL no sangue que foi encontrada nos ratos também acaba por ser verdadeira nos seres humanos é notável”, comenta.

Cimato explica que para passar dos animais com colesterol LDL muito elevado para seres humanos foram necessários alguns passos criativos, tais como a manipulação dos níveis de colesterol LDL de indivíduos mediante o uso de três tipos diferentes de estatinas.

O estudo envolveu acompanhamento durante cerca de um ano, de uma dúzia de pessoas sem doença arterial coronariana conhecida que estavam recebendo estatinas por períodos de duas semanas separados por intervalos de um mês quando eles estavam sem receber drogas.

“Nós modelamos o mecanismo de como o colesterol LDL afeta a mobilização de células tronco em seres humanos”, explica Cimato.

Os pesquisadores da Universidade de Buffalo descobriram que o colesterol LDL modula os níveis das células tronco que formam os neutrófilos, monócitos e macrófagos, os tipos de células primárias envolvidos na formação da placa e aterosclerose.

O próximo passo, continua, é descobrir se as HSPCs, como os níveis de colesterol LDL, estão ligados a eventos cardiovasculares, tais como ataques cardíacos e AVC.

 

Medcenter