insonia2Uma nova pesquisa indica que o tratamento com pressão respiratória positiva contínua pode ser útil para os pacientes com hipertensão e apneia obstrutiva do sono.

Mais de 70% dos pacientes com hipertensão resistente ao tratamento têm apneia obstrutiva do sono. Embora a hipertensão seja um dos fatores de risco cardiovascular mais tratáveis, e a apneia obstrutiva do sono possa contribuir para um controle deficiente da pressão arterial, não há evidências da utilidade da pressão respiratória positiva contínua (CPAP).

Este tratamento consiste em um aparelho que utiliza pressão de ar leve contínua para manter permeáveis as vias respiratórias de um paciente. Considera-se o tratamento mais eficaz para a apneia obstrutiva do sono. Então o Dr. Miguel-Ángel Martínez-García, do Hospital Universitário e Politécnico La Fe, Espanha, e seus colaboradores se propuseram analisar seus efeitos.

Incluíram em seu estudo 194 pacientes com hipertensão difícil de tratar e apneia obstrutiva do sono em 24 hospitais acadêmicos na Espanha. Os pacientes receberam tratamento com CPAP ou só sua medicação habitual para controlar a pressão arterial. A qualificação de apneia do sono média foi 40 e cada paciente estava tomando uma média de 3,8 fármacos anti-hipertensivos.

Depois de 12 semanas, o tratamento com CPAP foi acompanhado de uma maior redução da pressão arterial e a percentagem de pacientes com uma pressão arterial noturna saudável foi maior no grupo que recebeu CPAP.

Os resultados foram publicados no Journal of the American Medical Association. Os autores assinalam em seu artigo: «Nos pacientes com apneia obstrutiva do sono e hipertensão resistente, o tratamento com CPAP durante 12 semanas em comparação com o controle deu como resultado uma diminuição da pressão arterial média e diastólica em 24 horas e uma melhora do padrão de pressão arterial noturno».

Contudo, acrescentam que «se necessita de mais pesquisas para avaliar os resultados a longo prazo na saúde».

FONTE : Medcenter